domingo, 5 de maio de 2013










Sou fruta e sou fritura; doce e salgado; coca-cola e suco de fruta. Chocolates, balas e pirulitos travam uma batalha corpo a corpo com os salgados da vizinha. Do outro lado da rua, Subway e McDonadl’s brigam por um espaço em meu estômago. O refrigerante de cada dia e o suco do fim de semana, apenas para variar a dieta meticulosamente planejada que está pra chegar. Dieta esta que vem sendo adiada a um tempo demasiado longo pelo inebriante aroma que invade a alma e deixa a boca desejosa das maravilhas afrodisíacas da comida e da bebida.
Sou a escola; sou a cama. Sou o ‘estudar todos os dias’, mas também sou o ‘vou deixar para amanhã’. O gosto pelo estudo e a preguiça doentia de abrir a bolsa estão mescladas em meu interior. Sou Humanas e sou Exatas; sou Humanas e não sou Exatas. Português, Redação e Literatura fazem-se presentes na ponta da língua; Química, Física e Biologia exigem mais esforço. A Matemática me atrai, no entanto foi a História que me conquistou, com toda a sua beleza e inteligência de quem já viveu mais de mil anos. 
Sou os livros que leio e sou os textos que escrevo. Não sou os livros que leio e muito menos os textos que escrevo. Sou tudo que sai da ponta do meu lápis, mas não sou nada do que chega ao papel. Sou o corpo presente que vê e sou a mente divagante e invisível que passeia por aí construindo e desconstruindo os castelinhos de palavras escritas. Sou a teimosia e a indecisão; sou tudo isso e nada disso. Sou o registro do que vi , li e ouvi. Sou as pessoas que conheci. Sou a futura jornalista e a utópica escritora. Sou eu e apenas num mundo mutável e imaleável.